Karine & Felipe | Nosso amor em fotografia

Já contamos tantas histórias de amor que aqueceram nosso coração, mas – até agora – nunca contamos a NOSSA história, né? Namoramos há pouco mais de quatro anos e há seis meses resolvemos dar mais um passo nessa aventura que é o amor.

Cerca de um mês antes de completarmos seis meses de noivado, Felipe resolveu que queria fazer um ensaio fotográfico nosso e eu embarquei na ideia de eternizar nosso amor em fotografia.

O fotógrafo já estava escolhido, seria nosso amigo e excelente profissional João Luccas. E sabe o que foi mais legal nisso? Não sabíamos, mas o João trabalha em parceria com outro fotógrafo, o Carlos Martins. Então, acabamos ganhando um combo: Contratamos um e vieram dois! Isso foi o máximo porque cada um tinha uma perspectiva do mesmo cenário e, claro, olhares únicos, ou seja, tivemos dois ensaios em um só! Deus é bom demais!

Depois de criarmos um grupo no WhatsApp para dividirmos nossas expectativas sobre o ensaio, era hora de escolher o lugar, ou melhor, os lugares. Nós tínhamos duas certezas: nosso ensaio tinha que ter natureza e pizza!

E não poderíamos ter conseguido locações melhores! A primeira delas foi o restaurante Trilhas do Araçari. Um espaço lindo, cheio de verde e cantinhos incríveis que fazem a gente se sentir totalmente em casa.

A outra locação também era marcante para nós. Quando ficamos noivos não fizemos nenhuma festa ou jantar especial, mas não queríamos que aquela data passasse em branco, então fomos comemorar da melhor forma que poderíamos: comendo pizza em uma das nossas pizzarias favoritas – a Alecrim.

Apesar de nós dois sermos jornalistas e, por isso, todo mundo partir do pressuposto que somos super extrovertidos e nada tímidos, temos muita vergonha quando o foco da câmera está em nós. Por isso, se tinha uma coisa que a gente estava era nervosos com esse ensaio!

Acredite se quiser, mas chegamos a ensaiar várias poses “naturais” (kkkk) e até falei com Felipe que meu nervoso era tanto que tinha medo do dia do nosso casamento… Vou morrer, né? Tomara que não!

Sim, a gente ri e se diverte muito um com o outro, mas quando tem alguém te fotografando a história muda e o que nós não queríamos era um ensaio cheio de poses forçadas e sorrisos amarelos! Graças a Deus e aos meninos, conseguimos relaxar – um pouquinho – e o resultado ficou bem legal!

Confere aí:

Se vamos dividir com vocês o nosso ensaio fotográfico, também vamos compartilhar a nossa história.

Muita gente pensa que eu e Felipe nos conhecemos por algum amigo em comum ou num desses vários estágios que a vida de estudante de jornalismo proporciona. Mas lamento dizer que se você apostava numa dessas alternativas, está enganado. A primeira vez que nos vimos tem a ver com nossa profissão sim, mas foi um pouquinho mais inusitada e eletrizante do que se esbarrar na redação de um jornal.

Era um desses dias em que tudo pode acontecer no jornalismo. Eu e a equipe da tv local em que estagiava estávamos a caminho de uma pauta quando recebemos uma ligação da chefia mandando a gente mudar a rota e ir para o hospital municipal porque havia um factual por lá. Não me lembro com precisão a história, mas sei que envolvia uma família transtornada com a morte de um ente querido. Um parente chegou a quebrar portas de vidro do hospital – daí o motivo de todo alvoroço.

Quando fiquei sabendo o teor da notícia, lembro que entrei em um pequeno pânico. Como vou abordar essa família? Como demonstrar sensibilidade quando você precisa de informações? É tenso, minha gente! Mas eis que vejo um rapaz alto, com papel e caneta na mão, fazendo perguntas e anotando todos os detalhes com a tranquilidade de quem nasceu para o ofício. Não pensei duas vezes e marotamente cheguei perto e comecei a anotar tudo que a família respondia a ele. Quem nunca, né amigos jornalistas? hahaha

Quando terminou a entrevista, Felipe foi educado e eu aproveitei para agradecer a “ajuda” que nem ele sabia que tinha me dado. Sai de lá pensando “Quando crescer quero ser igual a ele”. Mal sabia eu que ele também era estagiário de produção. Ainda assim, até hoje, ele segue sendo meu exemplo de profissional dedicado, humilde e pronto para os desafios. Que orgulho!

Momento fofura à parte, sigamos com a história…

A partir daquele dia começamos a nos ver mais em pautas e sempre que eu tinha alguma dúvida pedia ajuda a ele. Principalmente quando tinha que cobrir treinos do time da cidade e não entendia nada de futebol. rs Até conselhos amorosos esse menino me dava, tadinho! Foram quatro meses de amizade até que no dia do meu aniversário ele me deu um buquê de rosas vermelhas. Presentinho estranho para um amigo, né? kkkk Dez dias depois, começamos a namorar.

Escrevendo essa matéria, mandei uma mensagem para o Felipe para me lembrar quantos meses levamos da amizade ao namoro – Sim! Ele é o homem das datas. Eu sempre esqueço >< – e acabei de perceber que ele me pediu em casamento exatamente um mês depois de completar cinco anos do primeiro dia que nos vimos. Será que foi coincidência ou tudo friamente calculado?! Sigo sem saber. hahaha Mas foi lindo.

O pedido aconteceu no dia 6 de janeiro de 2018. Era o dia do casamento de uma das minhas melhores amigas desde a época de escola. Mesmo sem não nos ver há anos, a Julia me chamou para ser madrinha dela e eu, claro, aceitei na hora. Felipe foi ao casório comigo e na tradicional hora de jogar o buquê ele disse pra eu ir porque dessa vez ele seria meu.

Amo casamentos, vocês sabem, mas não gosto desse momento. Nunca gostei. As mulheres ficam doidas para agarrar o buquê da noiva que se armam para uma guerra velada em que é provável que alguém saia ferido e eu nunca quis me machucar ou correr o risco de exibir meus fundilhos ao cair no chão. Ou seja, nada de pegar o buquê kkkk

Mas ele insistiu tanto que eu fui. Dito e feito! Acredite se quiser, mas nada foi armado. Fiquei no final do bolinho, bem lá atrás, porque sabia que se desse ruim eu teria para onde fugir das unhadas. Mesmo assim, o buquê caiu exatamente na minha mão. Diz Felipe que esse era o sinal de que ele precisava. Mas o pedido não aconteceu ali na frente de todos não. Sempre falei com ele que queria algo reservado, sem público. E assim ele fez.

Na hora de ir embora para casa, Felipe disse que tinha escutado um barulho no carro e precisava parar para ver o que era. Eu estava tão cansada e tomada pela rinite que nem desconfiei. Depois de fingir que estava procurando o problema do carro, ele sentou no banco do motorista de novo e pediu pra que eu pegasse uma lanterna no porta-luvas. Abri e só encontrei uma caixinha. Sim! A caixinha! Com um anel lindo de noivado dentro. Ele começou a falar e chorar e eu fiquei em estado de choque. Ficamos noivos!!!

Sei que o texto já está enorme e afirmo que não era essa a minha intenção. Fazer o que? Tenho dificuldades em ser sucinta.

Mas antes de terminar esse post preciso agradecer…

Talvez você já deve ter percebido e até estranhado o fato de sempre escrever na primeira pessoa do plural. Sim, usando o nós. Na maioria das vezes, sou eu, Karine, que escrevo os posts que vocês veem por aqui. Mas não posso centralizar todo o trabalho que um blog gera apenas em mim. Ele, esse moço alto da foto, também faz parte de toda essa jornada. Revisa conteúdos, sugere pautas, dá título à matérias. Tá pra nascer homem mais participativo do que esse rapaz. Inclusive, sabe esse nome ‘Casório à Vista’? Foi ele quem teve a ideia quando nem imaginávamos que iríamos ficar noivos!

Por isso, não podia fazer um post sobre nós, sem falar sobre essa parceria. Te amo, melhor parceiro do mundo! Obrigada por acreditar em mim mais do que eu mesma. Você é incrível!


 

Mais agradecimentos especiais:

Ao Trilhas do Araçari, por nos receber sempre tão bem e por deixar a gente explorar cada cantinho desse lugar incrível.

A Alecrim Pizzaria, por aceitar nosso pedido repentino e nos atender de forma tão agradável.

Aos queridos João Luccas e Carlos por tentarem de todas as formas nos deixar mais confortáveis e sem a sensação de que tinham lentes apontadas para nós. hahaha Vocês foram ótimos!

 

Gostou de saber um pouco mais da nossa história?

Quer ver mais sobre nossa aventura rumo ao altar por aqui?

Deixe um comentário ♥

 

Veja também...

12 comments on “Karine & Felipe | Nosso amor em fotografia”

  1. admin disse:

    Obrigada!!! <3 <3

  2. Katerine disse:

    Que história ein! Amei!!! 😍

  3. admin disse:

    Muito obrigada!!! <3

  4. admin disse:

    Muito obrigada, Kelly! Espero que continue acompanhando a gente =D
    Beijoos <3

  5. admin disse:

    Obrigada pelo carinho, amiga!!! Também amamos vocês! <3

  6. Thaís Affonso disse:

    Que coisa mais linda! Tão feliz em ver esses sorrisos nos rostinhos de vocês!
    As fotos ficaram maravilhosas!
    Vocês são muito especiais!
    Amo você amiga! ❤️

  7. Kelly disse:

    Amei o post. Nunca tinha entrado no blog, mas a curiosidade falou mais alto hoje.
    Lindas as fotos, amei todinhas!
    Deus abençoe vcs 😘❤️

  8. Tallita disse:

    Amei!

  9. admin disse:

    Lindas, né? Também amamos! Obrigada pelo carinho, Pablo!

  10. admin disse:

    Amém! Muito obrigada pelo carinho, Suelen! <3

  11. Suelen Wermelinger disse:

    Que história linda e que fotos lindas ! 😍

    Desejo toda felicidade do mundo ao casal .

  12. Pablo disse:

    Meu, que fotos lindas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *