Passar a gravata | Como não transformar esse momento em um nó na garganta

Passar ou não passar a gravata: eis a questão! Não se sabe quando e como surgiu a ideia, mas o fato é que passar a gravata é uma tradição de casamentos brasileiros.

Essa nada mais é do que uma brincadeira que os amigos e/ou padrinhos fazem para arrecadar dinheiro para a lua de mel. Eles pegam uma gravata – que pode ser de fato a gravata do noivo, ou só representação dela (o que acho melhor) – e começam a passar de mesa em mesa “vendendo” pedaços para os convidados.

Foto: Smartpic Fotografia

De uns anos para cá, porém, uma questão tem sido levantada: Afinal, passar a gravata é divertido ou pura falta de elegância?

Se colocando no lugar do convidado

Você provavelmente já foi convidado para um casamento, certo? Então, certamente também já presenciou esse “momento arrecadação”.

E aí, como você se sentiu?

Eu já fui em diversos casamentos em que os padrinhos passavam a gravata e, devo confessar, também já experimentei um misto de sentimentos.

Em alguns, pura diversão, boas gargalhadas e a certeza de que um trocado seria muito bem-vindo para os noivos, por isso nos sentíamos felizes em ajudar.

Em outros, a sensação era de que estávamos quase sofrendo um assalto em que apenas notas “grandes” eram aceitas pela “gangue”. É nessa hora que a única vontade que a gente tem é de sumir da mesa para evitar olhares de julgamento e pressão.

Porque, sim, esse momento pode ser bem desconfortável!

É preciso levar em conta

Mesmo não sendo padrinho ou madrinha, o convidado sempre terá gastos para fazer parte dessa festa. Comprando uma roupa legal, investindo no presente, na produção para o evento… Sendo assim, ter uma boa graninha extra para ajudar na gravata nem sempre será uma realidade.

Dito isso…

Não seja essa pessoa

Muita gente diz que uma boa estratégia para iniciar a brincadeira de passar a gravata é colocando notas grandes na bandeja (ou qualquer outro objeto que vão usar para juntar o dinheiro arrecadado). A menos que seus convidados tenham uma excelente condição financeira, eu sinceramente penso que esse pode ser um belo tiro no pé. Pense comigo…

Você é convidado, sabe que vai chegar o momento da gravata e está disposto a brincar, mas só pode ajudar com R$ 10 ou R$ 20. Eis que chegam os padrinhos brincalhões na sua mesa e te apresentam uma bandeja nada democrática, só com notas de R$ 100 e R$ 50. Resultado? Você certamente ficará constrangido em participar e talvez nem vai sacar seu suado dinheiro da carteira.

Por isso, nossa primeira dica para não transformar esse momento em um verdadeiro nó na garganta do convidado é:

♥ Inclusão

Vocês precisam ter em mente que quanto mais confortável o convidado estiver, mais feliz ele vai se sentir em ajudar. Por isso, instrua os amigos que ficarão responsáveis pela brincadeira a agirem de forma educada, sem pressão e, obviamente, agradecendo por QUALQUER valor arrecadado. Seja uma nota de dois reais ou 100. Afinal, ninguém é obrigado a participar e esse é um agrado “extra” que seus convidados estão dando a vocês.

Seja grato!

Foto: Rafael Ohana

♥ Um time de respeito

Vocês estão super alegres, vivendo cada segundo da festa, quando de repente olham pro lado e se deparam com seu amigo forçando a barra e perdendo a mão na zoeira para arrecadar dinheiro.

Para evitar essa saia justa, além de conversar previamente com a galera e deixar bem claro qual será o limite da brincadeira, escolha bem os amigos que serão responsáveis por essa missão.

Sim, ter amigos divertidos e brincalhões nesse time é indispensável. Mas é melhor deixar o “sem noção” da turma de fora!

 

 

♥ Nada de rótulos

“Já dei pro noivo”, “Mão de vaca”, “Tô duro”, “Só vim para comer”. Acho que nem preciso explicar o motivo pelo qual acho essa ideia de adesivos péssima, né?

“Ah, mas é engraçado!” Para quem? Só se for para quem zoa, porque para quem é zoado será certamente constrangedor andar pela festa com um adesivo desses.

Quer presentear quem contribuiu? Dê um adesivo ou bottom mais simpático do tipo “Patrocinador oficial da lua de mel” ou “Operação lua de mel: eu apoio”.

 

Não, não rotule quem não pôde ou preferiu não ajudar!

 

♥ Seja criativo

A ideia de ter uma bandeja passando e uma gravata em pedacinhos parece manjada demais para vocês? Então, que tal “inovar”? Separei algumas ideias para te ajudar:

♦ Vaquinha

Se pararmos para pensar, passar a gravata nada mais é do que fazer uma vaquinha, né? Bora incluir o bichinho na brincadeira então. Encontrar um cofre em forma de vaca não está sendo fácil? Amarre um pote no bichinho de pelúcia e saia arrecadando trocadinhos para a vaquinha.

Foto: Carol Bustorff Photography

Não achou uma vaquinha legal. Use o bom e fofo porquinho!

Foto: Sérgio Ronaldo

P.s. Só não enfie um ramo de flores no olho dele (como na foto), tadinho! kkk

 

♦ Brincadeira discreta

Para quem acha que passar de mesa em mesa é desconfortável para os convidados, uma opção é deixar um cantinho da decoração reservado para quem quiser fazer uma contribuição para a lua de mel de forma discreta. Claro que a animação da brincadeira faz com que as pessoas participem mais, mas essa pode ser uma alternativa para os casais e convidados mais tímidos.

Foto via Internet

♦ Cardápio

Sabe aqueles sites de casamento em que as pessoas podem presentear os noivos com cotas para a lua de mel? Que tal passar de mesa em mesa mostrando um “cardápio” com opções de passeios e refeições que os convidados podem contribuir para que se tornem realidade durante a viagem. Depois vocês podem enviar fotos de vocês nesses lugares para quem ajudou a realizar esse sonho. Legal, né?

 


 

Viu, manter a tradição de passar a gravata não significa ser deselegante com os convidados. Basta ter bom senso e consideração por quem vai viver esse momento com vocês.

Ainda assim não se sentem à vontade para fazer a brincadeira? Não tem problema. Passar a gravata não é brincadeira tem que ter. Façam se acharem que combina com seus convidados e vocês! 😉

Espero ter ajudado! Tem mais alguma ideia para a brincadeira? Manda aí!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *